quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Pessoas que puxam seu tapete no trabalho por NADA

Olá! Vim aqui fazer umas observações. Para variar, tive uma certa dor de cabeça no trabalho hoje. Em outras épocas, a minha reação teria causado um desastre, mas desta vez nem tanto.

Vejam bem: não me considero uma vítima no meu serviço, pelo menos não neste. Melhorei de vida quando fui para lá, etc e tal. Vejo pessoas lá em condições similares à minha, num serviço público estável, sem patrão, mas que só conseguiram chegar onde estão com menos esforço, numa época de Q.I. ("Quem Indica") e que ainda por cima reclamam horrores do trabalho, acham que têm o "direito" de não trabalhar decentemente, como se o mundo lhes devesse alguma coisa... Ora, pelamor! Vá ficar mandado currículos, fazer uma entrevista de emprego, participar de dinâmicas e, na melhor hipótese de conseguir o trabalho, viver com a possibilidade de ser mandado embora a qualquer momento. Enfim, CRESÇA E ACORDE PARA A VIDA antes de reclamar.

Bom, mas o que aconteceu hoje foi o seguinte: duas pessoas COM AS QUAIS EU SEMPRE FUI LEGAL, COLABORATIVA, SOLÍCITA, foram reclamar de mim para o chefe, dando a entender que eu estava atrapalhando o serviço delas e, por isso, elas estariam TÃO atrasadas e enroladas.

Uma delas, falando francamente, não tem capacidade para o serviço que desempenha - está lá por QI -, mal sabe mexer no computador. E, como sempre o serviço dela está mal feito, atrasado, caótico, o que ela faz? Ora, acusa os outros de estarem atrapalhando-lhe! Até aí, ok, né, e o Quico? Mas a questão é que eu sempre tive pena dessa mulher e sempre a ajudei: quando terminava as minhas tarefas, relacionadas às minhas funções, eu ia ajudá-la, pois ela não dá conta sozinha e fica estressada, reclamando, sofrendo. Bom, ontem eu deixei um PAPEL em cima da mesa dela, porque eu não sabia onde pôr aquele tipo de papel, porque ela sempre guardou, etc. E o que ela fez? Foi reclamar para o chefe que eu ficava colocando coisa em cima da mesa dela, por isso que o trabalho dela atrasava, etc... Repito: eu SEMPRE a ajudei MUITO. De todos os funcionários do meu nível, eu sou - era - a que mais a ajudava concretamente, de VERDADE. E ela tem a coragem de falar mal de mim para o chefe por causa de um PAPEL.

Aí, no mesmo momento da reclamação, estava um estagiário que - vejam só! - eu considerava meu amigo, mas que se queixou que eu lhe pedia coisas quando ele estava ocupado e isso o atrapalhava e por isso o serviço dele também estava atrasado, etc, etc, etc. Olha, eu até aceitei uma certa queixa específica dele, mas, de resto, o que eu peço para estagiário é coisa de ESTAGIÁRIO fazer. Uau, né, como eu sou esquisita! Deveria eu fazer o trabalho dele, né? E, claro, para completar o quadro da colega boazinha que - sem hipocrisia - subalternos não respeitam, eu SEMPRE vi um milhão de erros dele, mas NUNCA o humilhei publicamente por causa disso, até já o defendi. E ele foi lá reclamar de mim.

Bom, o pior é que o chefe veio falar comigo na frente dos outros. EU ME DEFENDO - sempre. Em geral, de uma forma dramática, aos trancos e barrancos. Me controlei para não provocar um terremoto - porque estou ficando vacinada contra esse tipo de atitude, que acaba me deixando mal.

Mas chamei o chefe, falei o que eu pensava, que eles ficavam me "acusando" porque eles não davam conta de fazer o serviço deles, que a funcionária lá era muito desorganizada, que eu sempre a ajudei, que estagiário lá naquele trabalho era extremamente folgado, etc. Falei: "Você acha que esse menino não deu conta nem de 10% do serviço dele de ontem por minha causa? Não deu conta de mexer sequer com UM processo?", "Se a Fulana tiver que mandar 20 ofícios numa semana para o mesmo lugar, ela fará 20 Avisos de Recebimento iguais, em vez de salvar UM no computador e imprimir o necessário depois... Como que ela não vai ficar enrolada?".

Deixei bem claro que eu sou muito colaborativa, que eu levo a sério meu trabalho e que eu esperava que ele enxergasse isso. Ele foi receptivo, falou que a mulher tinha limitações mesmo, que ele sabia, que os estagiários de hoje são assim mesmo, para eu não me importar, que ele só tinha falado comigo porque tinham reclamado para ele. (A pergunta que não quer calar: por que não veio conversar privativamente comigo, em vez de causar um clima estressante coletivo?)

Enfim, foi isso. Eu perdi meu dia hoje, de raiva. Na hora, fiquei tão nervosa que eu só não fui embora porque NÃO podia, não tinha como. Com a mulher, não conversei mais. Apenas jurei para mim mesma que não irei ajudá-la NUNCA mais, em nada. Ela foi fdp, mal-agradecida, não precisava tanto por tão pouco. Por causa de um papel, perdeu uma amiga.

Conversei com o estagiário, de "boa", falei que não precisava ter ido reclamar com o chefe, que bastava conversar comigo. Ele disse que não imaginava que o chefe iria falar comigo na frente de todo mundo e que ele não atribuía o seu atraso no serviço a mim. E, pacabá, acha que está no mesmo nível, de igual para igual com os outros funcionários... Respondi que não ia ficar explicando por que a Terra era redonda e não quadrada. (Vejam bem, não estou dizendo que ele seja um cidadão de segunda categoria, mas um estagiário, num ambiente de trabalho, tem que se tocar de que tem que respeitar os mais velhos, os funcionários de verdade. Moleque respondendo para adulto, num ambiente formal, é o cúmulo da falta de noção da vida.) E arrematei com o seguinte: eu achava que ele fosse meu amigo; ele tinha me apunhalado pelas costas; o mundo dá voltas e ele vai receber uma dessas de alguém também.

Depois conversamos mais ainda e tenho a certeza de que ele pensa que ainda confio nele, que ele é meu amigo, etc, etc.

Olhem, esse post não tem muita conclusão. Tem algumas reflexões: Muito disso tem a ver com INVEJA. Tem gente se só dá valor quando é pisado. Aqui se faz, aqui se paga. A que ponto eu cheguei, tendo de lidar com gente assim. Aquilo não é ambiente para mim. Vontade de ir ao banheiro, me ajoelhar e implorar para Deus para que eu consiga mudar logo de trabalho. E daqui para frente?. Não ajudar mais, nunca mais, a Fulana. Mudar de atitude e ser fdp, fofocando tudo o que eles fazem de errado?.

Não me tornarei uma fdp, não... Não demais. Mas também não dá para continuar sendo "a" legal com esse pessoal. Sei lá se vou cortar relações, do tipo de mal olhar na cara. E, se eu achar que for o caso, vi erro dos outros = contei pro chefe, em voz alta, falando para todo mundo, dando uma da que quer ajudar e não criticar. Para que ajudar quem não pensa duas vezes antes de te jogar no fogo?

Essa queixa me parece sensata a respeito do meu serviço: nunca vi um ambiente de trabalho em que as pessoas criticam umas às outras com tanta empáfia, sem nenhuma cerimônia, como se fossem os "masters" naquele tipo de função.

Quanto eu estou muito de saco cheio, eu penso: mais dia, menos dia. Daqui um ano, não estarei mais aqui, de jeito nenhum.

É isso. Vamos ver o que vira.





7 comentários:

Bel do Lu disse...

Chato, muito chato! Bola para frente, fazer o quê? Continue com a sua integridade e valor! Um abraço!

Beth disse...

Oi querida, muito obrigada pela receptividade e interesse pelo caso da Marianna, viu? Sei que nem sempre podemos ajudar ocmo gostaríamos, mas a divulgação, ou mesmo um pensamento positivo, uma oração, tudo é muito bem vindo. Deus a abençoe.
Sobre aTPM (post de 03/08): essa fase hormonal nos intala lentes de aumento que só elevam aquilo que nos incomoda, é assim mesmo. E aí, o bicho pega!kkk Eu estou na menopausa, com uma TPM galopante que não vem e vai uma vez por mês, ela vem e vai mais de uma vez por semana e às vezes por dia! Imagina isso! kkkkk
Sobre o desgaste no trabalho. É fogo. Mas, com tudo aprendemos, nos aprimoramos.Infelizmente, gente de todo tipo há em todo canto. E FDP´s proliferam que é uma coisa... Mas, o que prevalece é o que vale mesmo a pena. E a gente aprende com todos e tudo,todos somos instrumentos na vida uns dos outros, você foi instrumento do bem, eles foram instrumento para reforçar em você o que vale a pena, e a vida segue. Você está certa. Nãoprecisa virar uma FDP como eles, porque você não é assim e não vai se nivelar por baixo. Mas, fique na sua, faça o seu melhor, eles verão com o tempo o que perderam. O seu chefe, também, mostrou que ainda tem muito o que aprender, faltou habilidade total para lidar com o assunto. Porém, nada como um dia depois do outro. Vá em frente, dando o seu melhor. Eu tenho mais de 36 anos de trabalho, imagine o tanto de coisa e gente que já encarei! Mas, asseguro: a integridade, a honestidade, o esmero em fazer o melhor, isso tudo prevalece sim. Beijos e sucesso, sorte, luz, sempre.

Bruxa do 203 disse...

Eu também não vejo a hora de mudar de trabalho, principalmente por uma questão financeira, mas o ambiente também é estranho.

Fabi disse...

Bom, infelizmente é assim mesmo, me revoltei junto com voce... Meu ultimo trabalho eu sempre ajudava a cozinheira na parte de limpeza das coisas que ela era encarregada(coisa que a auxiliar dela nunca fez). Toda vez que ia limpar as portas da minha geladeira lipava as delas, quando lavava minha camara fria, inumeras vezes lavava a dela, por que não me custava e adiantava o serviço dela ja que a auxiliar nunca se oferecia pra limpar o fogão pra que ela fosse lavar as coisas dela e ela acabava se atrazando e estourando o horário (ela entrava e saia mais cedo que nós). Ao envéz de um pouquinho de reconhecimento, não precizava nem amizade,ela foi se incomodando com minha boa vontade e me detonou junto com uma outra pra patroa (que é outra figura...).
Chegou a um ponto que o clima ficou imssuportável e eu não pensei duas vezes: pedi a conta. Já fiquei em outras vezes amargando situações assim até cair em depressão. Acho que seremos bem aceitos quando fizermos vozinha de bebe para os chefes, arregalando os olhinhos, levando cestinha de natal pro filho do chefe e chamando o insuportavelzinho de "fofo" e mais p#@* nenhuma... Aí todos seremos felizes no trampo vendo o colega se f#@*r sem mexer um dedo. E viva a hipocrisia!!!

Dáfni disse...

Miss Blueberry,

Vou te dizer, esse tipo de coisa acontece em qualquer lugar; o raro é não acontecer. Eu trabalho com a maioria de pessoas com PhD, e adivinha? Comportam-se da mesma maneira, com a diferença que ficam vomitando o currículo para todo mundo. Então não se iluda, o mundo é feito de pessoas e pessoas são assim: invejosas, egoístas, babacas.

É claro que é inveja. Faça seu trabalho e trate de ficar na sua por um tempo, vendo qual é a das pessoas. Aí, depois que vc viu em quem pode confiar ou não, pode se soltar. Infelizmente, a gente não pode confiar de cara e nem ajudar de cara. As pessoas são FDP, e não reconhecem nada. E parece que gostam de levar na cara também, como constatei semestre passado na universidade...

Bom, sorte!

Beijos

Anônimo disse...

Olá, me vejo muito em seus problemas - principalmente nas questões com a balança- mas, acho que deveria rever os seus conceitos no trabalho, pois, pelo que vc fala sempre está com a razão, desde qdo era professora, e sabemos, ainda que intimamente, que os acertos nem sempre são nossos. Posso estar falando besteira pois não vivencio os seus problemas, mas é o que senti pela leitura do blog...desejo-lhe sucesso em suas metas. Abc. Karla

Miss Blueberry disse...

Ok, Karla, obrigada pelas dicas e bela franqueza. Um abraço!